sexta-feira, 21 de abril de 2017

Toxina - Robin Cook


Sinopse

Toxina conta o drama de Kim Reggis, conceituado cirurgião cardíaco que luta para salvar a vida de sua filha que contrai a perigosa bactéria E. coli O157:H7, numa noite em que consome hambúrguer mal passado numa lanchonete. Desesperado e sem conseguir impedir a progressão da doença em sua filha, que está prestes a morrer, ele se lança em uma arriscada investigação que leva às indústrias de carne dos EUA e suas perigosas práticas. Ele e sua ex esposa agora estão juntos novamente para descobrir a origem e evitar a morte de milhares de outras crianças como sua filha, eles só não esperavam que os grandes chefões das indústrias pudessem agir de modo tão brutal para impedir que seus segredos venham à tona.

Resenha

Há muito eu queria reler algum livro antigo de Robin Cook, da fase em que ele ainda seguia sua eficaz fórmula de escrever suspense médico. Ele continua escrevendo nesse gênero, mas sua abordagem mudou tanto que é difícil encontrar em seus últimos livros os elementos que o consagraram. E com todo esse recente  escândalo sobre carne contaminada que repercutiu do Brasil para o mundo, eu não podia fazer uma escolha mais oportuna que Toxina. Obra escrita em 1998 e que, desde aquela época, já alardeava a negligência das indústrias de carne e os perigos que isso representa.

Kim é um dos protagonistas mais controversos da obra de Cook. Um cirurgião cardíaco que, mesmo tendo perdido parte de seus status
profissional devido à implantação de um novo plano de saúde no hospital onde trabalha, não perdeu sua arrogância. Mas quando sua filha adoece ele descobre que nem toda sua prepotência são suficientes para fazer com que a máquina do sistema de saúde trabalhe a seu favor. E a petulância se une ao desespero, o que resulta numa combinação catastrófica. Muitas vezes Kim perde o controle, deixando seu temperamento explosivo falar mais alto e, mesmo com toda sua prepotência, é impossível não sentir empatia pelo pai que desesperadamente procura salvação para sua filha e se depara apenas com uma muralha de detalhes burocráticos, ao invés de receber apoio daquele sistema ao qual ele serviu por tantos anos. Acho que todo mundo que necessitou do serviço público de saúde sabe o que é isso e, dessa forma, é difícil não se identificar com o personagem.

Quanto às informações sobre as condições de processamento da carne na indústria frigorífica, Cook não poupa nosso estômago. Alguns detalhes do que acontece desde o abatimento dos animais até o momento em que a carne chega em nossa mesa são tão repulsivos
que não dá pra olhar para um pedaço de bife da mesma maneira. O autor nos passa informações grotescas a respeito da negligência nos cuidados sanitários com a manipulação da carne, narra peculiaridades sobre o aproveitamento de material animal impróprio na produção de hambúrgueres e denuncia abertamente o acobertamento dos órgãos públicos que visam apenas seus próprios interesses.

O livro tem momentos bem dramáticos, com um suspense que vai surgindo aos poucos até explodir em momentos de grande adrenalina. Não há muito mistério no enredo, sabemos de antemão quem são os vilões e a emoção fica mais por conta das descobertas chocantes que Kim vai fazendo conforme segue em sua busca por justiça. O final é bem típico dos livros de Cook, com a ação se desenrolado até as últimas páginas até se alcançar um desfecho impactante. Confesso que o final me decepcionou um pouco, esperava uma reviravolta que até veio, mas de uma maneira diferente do que eu gostaria. Mas foi o melhor que o autor pode fazer para não tornar a conclusão algo fora da realidade, até porque o livro precisava ser verossímil para que o recado sobre toda essa negligência fosse dado. E posso dizer que funcionou, pelo menos até certo ponto. O livro não me convenceu a me tornar vegetariano, mas me alertou sobre os muitos perigos que envolvem o mau manuseio da carne.



Nenhum comentário:

Postar um comentário