quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Amor Amargo - Jennifer Brown




Sinopse 

Último ano do colégio: a formatura da estudiosa Alex se aproxima, assim como a promessa feita com seus dois melhores amigos, Bethany e Zach, de viajarem até o Colorado. O dia da viagem se torna cada vez mais próximo, e tudo corre conforme o planejado. Até Cole aparecer. Encantador, divertido, sensível, um astro dos esportes. Alex parece não acreditar que o garoto está ali, querendo se aproximar dela. Quando os dois iniciam um relacionamento, tudo parece caminhar às mil maravilhas, até que ela começa a conhecê-lo de verdade.

Resenha

Comprei esse livro por indicação num grupo no facebook, quando pedi sugestões de livros sobre relacionamentos abusivos. É um tema que geralmente gera boas histórias. Mas só fui descobrir que se tratava de um livro voltado para o público adolescente depois de ter comprado. Não curto muito livros juvenis, pelo menos esses mais modernos, acho tudo muito fútil e não consigo me envolver. Mas nesse caso foi diferente. Jennifer retrata muito bem o universo teen, com todos os seus maneirismos, mas trata com muita profundidade os temas sérios do livro. Alex é uma jovem que perdeu a mãe ainda criança e tal tragédia transformou radicalmente sua família. Seu pai se tornou um homem apático, distante das filhas e essa falta de proximidade transformou Alex numa menina carente, insegura e com baixa autoestima. Por isso, quando Colin, o atraente aluno novo, começa a lhe dar bola ela mal consegue acreditar.

Foi muito interessante a maneira como o rapaz foi mostrando aos poucos seu lado sombrio. A autora soube dosar bem a maneira como os abusos foram se intensificando, até você perceber que o que parecia um conto de fadas para Alex, se tornou uma verdadeira cilada. Mas uma coisa é nós, leitores, constatarmos que aquele é um relacionamento doentio. Outra é Alex se dar conta disso. Por vários momentos senti muita raiva da personagem, que se culpava pelas agressões do namorado, tentando encontrar justificativas para o seu comportamento. Mas em outros eu a compreendia, pois é difícil você admitir que aquela pessoa por quem se apaixonou, que te dá carinho, que te surpreende com presentes fofos, possa sentir prazer em te machucar.

O livro todo o tempo jogou com as minhas reações diante desse relacionamento destrutivo. Algumas atitudes de Cole me deixaram revoltado, perplexo e enojado, ao mesmo tempo que a passividade de Alex me exasperava. A maneira como a protagonista defendia o namorado a fazia parecer até mesmo conivente com a agressão. Em muitas situações queria lhe dar uma sacudida para que alterasse seu pai, seus amigos, a polícia, quem fosse, pra se libertar. Mas também entendia seus motivos. O quanto é dificil sair de uma relação como essa. A coragem que é necessária para expor sua própria infelicidade e pedir ajuda. Estar a mercê da crueldade das pessoas que vão te condenar por não ter tomado essa atitude antes. O quanto isso pode ferir seu amor próprio.

Gostei muito da maneira como Jennifer conduziu a narrativa. Sem apelar, sem maquineísmo e com personagens convincentes. O livro fica mais empolgante à cada capítulo, atingindo um grande clímax, houve emoção nos momentos dramáticos, mas sem cair no sentimentalismo e o assunto dos relacionamentos abusivos foi tratado com muita competência, dignidade e realismo. Um livro sobre adolescentes, mas que se comunica com qualquer público e principalmente, representa a realidade de qualquer mulher que sofra esse tipo de violência.




quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Sete personagens iluminados da obra de Stephen King


Daniel Torrance (O Iluminado)

Dan Torrance é filho único do casal Wendy e Jack. Uma mãe amorosa e um pai alcoólatra, que desconta suas frustrações na família. Um garoto introspectivo que, ao se mudar com os pais para o Overlook Hotel, descobre possuir o dom da iluminação e passa a ser assediado por uma turba de fantasmas que assombram o hotel. Porém seu dom de ver os mortos também é sua proteção, que o torna imune ao apelo das forças malignas que tentam arrastá-lo para sua miséria. Mas o mesmo não ocorre com seu pai.


Mike (Joyland)

Portador de uma doença incurável, o maior passatempo de Mike é empinar pipa em sua cadeira de rodas. Mas apesar da limitada expectativa de vida, ele é um garoto alegre, que não perde a vontade de viver e tem um dom muito especial. Ele é um iluminado e quando seu caminho se cruza com o de Devin, um rapaz que trabalha num parque de diversões, sua vida ganha um novo sentido. Seu dom da iluminação será posto à prova, mas mais do que o autodescobrimento, ele será apresentado pelas mãos de Devin a um novo mundo, cheio de fantasia, esperança e poesia.


Abra (Doutor Sono)

Desde pequena Abra demonstrou que não era uma menina comum. Ao seu redor aconteciam coisas estranhas, como, por exemplo talheres surgindo pendurados no teto. E a iluminação de Abra era tão forte que a transformou no objeto de desejo de uma criatura horrenda, que se alimenta da iluminação de crianças como ela e é capaz das piores atrocidades para agarrar sua presa.


Duddits (O Apanhador de Sonhos)

Em Derry, no Maine, quatro garotos presenciam um ato de extrema violência, quando Duddits, um menino portador de síndrome de Down, é torturado por uma gangue de adolescentes. Num impulso de  coragem os quatro conseguem salvar a vida do indefeso menino. O que os amigos não sabem é que Duddits é um garoto especial, com poderes para penetrar na mente de outras pessoas. E pouco mais de duas décadas, eles descobrem que esse encontro será de importância vital para salvar a vida de toda uma cidade.

John Smith (A Zona Morta)

Após um acidente, Johny fica em coma por quatro anos e ao despertar, desenvolveu um poder que pode ser tanto um dom, como uma maldição: enxergar o futuro. Tal façanha ele consegue com o simples ato de tocar alguém ou algum objeto pertencente à essa pessoa. Com essa habilidade Johny pode evitar várias tragédias, inclusive a possibilidade de evitar uma catástrofe mundial.


Carrie (Carrie, A Estranha)

Carrie é uma menina com dificuldades de socialização devido à rigida criação que teve por parte de sua mãe, uma fanática religiosa. Seu comportamento retraído a torna alvo de bullying na escola e nos momentos de tensão ela deixa vir à tona o dom da telecinese. Um poder tão grande que, em outras circunstâncias poderia tê-la tornado uma verdadeira super heroína, mas que nas mãos de uma jovem tão frágil, desamparada e perturbada,a transforma numa verdadeira calamidade ambulante.


John Coffey (À Espera de um Milagre)

Como pode uma alma tão pura sofrer tantas injustiças? Um homem sensível, num grau de desenvolvimento espiritual tão elevado, que soube enfrentar um terrível martírio com dignidade. Um gigante com alma de criança que conquistou o coração de seus próprios algozes. Meu consolo é que ele era tão evoluído, que deve ter surfado sobre todo aquele sofrimento pelo qual passou.