quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Gelo Negro - Becca Fitzpatrick




Sinopse

Britt Pfeiffer passou meses se preparando para uma trilha na Cordilheira Teton, um lugar cheio de mistérios. Antes mesmo de chegar à cabana nas montanhas, ela e a melhor amiga, Korbie, enfrentam uma nevasca avassaladora e são obrigadas a abandonar o carro e procurar ajuda. As duas acabam sendo acolhidas por dois homens atraentes. Os homens, porém, são criminosos foragidos e as fazem reféns. Para sobreviver, Britt precisará enfrentar o frio e a neve para guiar os sequestradores para fora das montanhas. Durante a arriscada jornada em meio à natureza selvagem, um homem se mostra mais um aliado do que um inimigo, e Britt acaba se deixando envolver. Será que ela pode confiar nele? Sua vida dependerá dessa resposta.

Resenha

Adquiri esse livro numa troca num sebo, mas logo depois li tantas críticas negativas sobre ele que quase o ponho pra circular de novo. Mas me apeguei às poucas opiniões positivas e fui em frente. Como já esperava o livro tem um texto muito juvenil, mas não achei que fosse tanto. Depois de um prólogo instigante narrando um encontro que não termina bem, sugerindo uma cena de assassinato, somos apresentados à Britt, uma adolescente que acaba de terminar um relacionamento, mas ainda está apaixonada pelo namorado. Minha antipatia pela jovem foi instantânea. Ela rouba os CDs do ex namorado para arranhá-los, derruba raspadinha no estofado do carro do rapaz, maltrata o atendente do posto de gasolina, lê o diário da melhor amiga escondido. Essa é a nossa heroína.

Por volta da página cinquenta, quando as adolescentes se perdem e pedem abrigo numa cabana ocupada por dois rapazes, o livro começa a envolver. Dá pra se sentir que há algo de muito errado naquele ambiente e quando os rapazes revelam o que estão fazendo ali, a tensão aumenta gradativamente, tornando a leitura magnética. O livro se torna um acirrado jogo psicológico, onde acompanhamos cada atitude dos personagens. Há muito mistério envolvendo a relação entre os sequestradores, pois apesar de serem cúmplices fica implícito que um teme o outro e que um esconde algo do outro. A protagonista se mete em várias ciladas que me deixavam curioso pra saber como ela conseguiria se safar.

O livro é pontuado por alguns flashbacks falando sobre o passado de Britt, principalmente de sua relação desde a infância com a amiga Korbie e seu irmão Calvin, que mais tarde se tornaria seu namorado. Há muita encheção de linguiça nessas cenas, mas há um ponto muito interessante que é o convivio de Calvin com seu pai, que tem um relacionamento abusivo com o filho, submetendo-o a torturas físicas e psicológicas. Em determinado ponto o livro tem uma reviravolta surpreendente, que muda radicalmente o rumo dos acontecimentos. A partir daí passei a prestar mais atenção em um personagem para o qual não havia dado tanta bola. Depois dessa virada o livro perde um pouco do ritmo por algumas dezenas de páginas, focando mais no romance entre Britt e Manson, um dos sequestradores. Um romance permeado de desconfiança, já que estamos falando de um sequestrador e sua vitima. Mas logo acontece outra reviravolta e as peças mudam novamente de lugar.

Excetuando essa revelação inesperada, antecipei muitos dos acontecimentos. A autora não tem habilidade o suficiente pra enganar o leitor por muito tempo, mas eu fiquei numa grande expectativa em confirmar minhas suspeitas. Foi uma boa leitura, Becca tem muita criatividade, conduzindo a narrativa com muita eficiência, mas pecou muito na construção dos personagens. Em nenhum momento torci pela protagonista, pelo contrário, queria que ela sofresse mais pra ver se deixava de ser tão mimada. Uma trama bem armada, que se tivesse um texto mais maduro, seria um grande livro de suspense.

9 comentários:

  1. Olá Ronaldo!
    Esse livro tem uma sinopse interessante e a sua resenha aguçou minha curiosidade.Porém tenho um pé atrás com essa autora.Definitivamente Hush Hush foi uma das piores séries que já li na vida.Apesar de tudo foi legal saber que a autora está amadurecendo sua escrita.Parabéns pela resenha!!Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela ainda tem muito a aprender, tomara que progrida sua escrita.

      Excluir
  2. Que pena que a trama tenha sido tão imatura!
    O contexto em geral, foi muito interessante. Esse mistério envolvendo os sequestrados,esse personagem que chamou mais sua atenção em certo momento ,o passado da Britt e as reviravoltas que a trama dá.
    Um ponto negativo que também me desagrada em um livro,acontece quando não sinto simpatia alguma pela personagem principal.
    Mas mesmo me parecendo um livro mediano, fiquei interessada. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Empatia com os personagens é um fator muito importante para ae gostar de um livro,e esse foi um grande erro da autora.

      Excluir
  3. Oi, Ronaldo! Tal como o colega de cima, li Hush Hush e foi simplesmente intragável! Não sabia que a autora também escrevia thrillers, e baseado nos seus comentários, acho que mesmo parecendo ruim, Gelo Negro deve ainda ser melhor que Hush Hush...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, pelo menos no suspense ela não começou tão mal.

      Excluir
  4. Oi, tudo bom?
    Que pena que a protagonista é tão infantil e mimada, não gosto quando elas são assim, e que pena que a autora não soube trabalhar direito na trama, mas fiquei curiosa para saber o que aconteceu, mas não sei ainda se darei uma chance ao livro.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu relutei muito em ler, mas seu pra se aproveitar muita coisa.

      Excluir
  5. A autora fez sucesso com uma série juvenil, não conseguiu ainda mudar a escrita deixando mais madura para um livro de suspense, em breve talvez consiga.
    O foco em alguns momentos em romance é algo que vejo como desnecessário, havia muitos outros elementos para usar sem esbarrar nisso, mas pelas reviravoltas que tem acredito que vale a pena tentar, sua resenha me deu um pouco de esperança de que o livro me agrade em alguns aspectos e seja uma leitura válida no fim.

    ResponderExcluir