quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Fábrica de Vespas - Iain Banks



Sinopse

Frank, um garoto de 17 anos bastante incomum, vive com seu pai em um vilarejo afastado, em uma ilha escocesa. A vida deles, para dizer o mínimo, não é nada convencional. Para aliviar suas angústias e frustrações, Frank começa a praticar estranhos atos de violência, criando bizarros rituais diários onde encontra algum alívio e consolo. Suas únicas tentativas de contato com o mundo exterior são Jamie, seu amigo anão, com quem bebe no pub local, e os animais que persegue ao redor da ilha. Abandonado à própria sorte, ele observa a natureza e inventa sua própria teologia. Para ele, a natureza humana seria boa a princípio, mas corrompida pela civilização. Quando descobre que Eric, seu irmão, fugiu do hospital, onde foi internado após um surto de violência, Frank tem que preparar o terreno para seu inevitável retorno, um acontecimento que implode os mistérios do passado.

Resenha

O livro é narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Frank, um adolescente que vive num lar assombrado pela insanidade. Um pai obsessivo compulsivo, que tem o peculiar hábito de medir todos os objetos da casa. Um irmão foragido da polícia, que fora preso por sua compulsão por colocar fogo em cães. E ele próprio, um garoto antissocial, que sofre de uma deficiência em seu órgão sexual e possui uma índole assassina. Frank divaga pelos fatos do presente e do passado, narrando suas experiências mórbidas com animais, sua rotina deprimente, as lembranças difusas que tem da mãe e sobre seus assassinatos.

O autor conduz a narrativa com muita habilidade, dosando a revelação de cada acontecimento com parcimonia, aguçando nossa curiosidade. A criatividade com a qual Frank mata cada uma de suas vitimas, além do simbolismo implícito em cada morte, me deixou abismado. Frank não tortura suas vítimas humanas, não tem nenhum contato direto com elas durante a execução de seus planos, não se esbalda em sangue como seria de se esperar de um assassino patológico, mas prepara armadilhas engenhosas para suas presas que são pegas desprevenidas. Uma das mortes, envolvendo uma criança de cinco anos me perturbou de modo particular. A maneira como Frank se aproveitou de sua inocência para levá-la a cair numa armadilha foi repugnante. À medida que a cena avançava menos eu queria ler aquilo.

Frank é um personagem intenso e cheio de nuances, apesar de sua aparência exterior ser a de um rapaz retraído, de aspecto pesado e até mesmo passar uma imagem de estúpido. Fiquei fascinado pela clareza com que ele enxergava o mundo à sua volta, distinguindo o bem do mal com nitidez. Ele sabe das implicações morais de seus atos, sabe o que é certo e errado, mas sua maior preocupação antes de cometer um crime é a de ser cuidadoso para não ser pego. Além disso, a auto análise que Frank faz de seus instintos perversos é de um discernimento impressionante. Mas, por incrível que pareça a narrativa de Frank nem sempre é fria. Pelo contrário, em muitos momentos é carregada de emoção, de desespero e de pesar. Frank é um personagem complexo demais para ser enquadrado numa definição tão simplista e até mesmo estereotipada. Ele é sim um psicopata, mas o que o impulsiona a cometer crimes é muito mais do que a ausência de remorso ou o sadismo. Além do assassino que nos horroriza com seus atos, há também um enfoque alegórico em Frank, que representa a angústia de uma pessoa que se ressente de algo que a vida lhe tirou e se vinga de modo covarde nos mais indefesos. Do homem misógino que despreza as mulheres, julgando-as seres inferiores, para esconder de si mesmo sua insegurança. Do ser inteligente que é capaz de se analisar profundamente, que usufrui do autoconhecimento, mas morre de medo do desconhecido. E do quanto esse autoconhecimento pode ser enganoso, pois no fundo não sabemos de verdade quem somos.

O livro tem um bom ritmo, o autor mantém o interesse do leitor soltando as revelações no momento certo, sem segurar os lances por tempo demasiado, mas também não entregando tudo de uma vez. As passagens em que Frank relata suas experiências bizarras com animais são bem chatas, mas o autor nunca perde o foco. Ele sempre desvia essas cenas cuidadosamente para o que mais interessa, que é o passado de Frank. E nas últimas páginas há uma revelação tão impactante que fiquei atordoado. Eu esperava alguma surpresa no final, mas a verdade sobre Frank foi um baque. Quanto ao que é a fábrica de vespas, só lendo para saber. Excelente livro, com um conteúdo reflexivo, um texto fluído e uma obra de grande relevância para a literatura, que após 34 anos, finalmente chegou ao Brasil. Parabéns à DarkSide pela publicação.


10 comentários:

  1. Uau,queria ler a resenha desse livro ,e fiquei atordoada com as maldades de Frank.
    Sinceramente quando li em sua resenha,a forma clara em que o autor narra o assassinato de uma criança,perdi até um pouco da vontade de ler o livro. E olha que curto muito livros do gênero!
    Massss,com essa revelação que será apresentada no final,não tem como não ter vontade e curiosidade de conferir.
    Gostei muito da resenha,pois desejava saber um pouco mais dessa leitura. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, essa cena foi bem difícil, mas o livro como um todo compensa.

      Excluir
  2. Me desculpe, Ronaldo, mas achei esse livro bem doentio, até gosto de livros do gênero, mas acho que essa seria uma leitura que me faria sentir mal (pra dizer o mínimo)... Então essa eu deixo passar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Superficialmente pode até parecer, mas o livro é uma grande metáfora.

      Excluir
  3. Olá Ronaldo!!Nossa!!!Querendo esse livro pra agora.
    Vi que ia ser lançado e achei interessante mas não esperava tudo isso.
    Putz!Parece ser livro de primeira categoria.
    E parabéns pela resenha.Foi uma das melhores que já das suas.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, eu também me surpreendi com a qualidade desse livro.

      Excluir
  4. Cara vc é louco de ler esses livros sinistros kkkkkkkkk matar uma criança de 5 anos que macabro!!!!! Essas edições da Dark Side são uma doidera né (Cara que marcadores incriveis foram aqueles??? eu surtei muitoooooo um mais lindo que o outro. Valew mesmo!! Isso foi tipo um pedaço da bienal pra mim)

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro esses livros, mas esse extrapolou um pouco. A Novo Século caprichou mesmo mos marcadores. Fico feliz por ter gostado.

    ResponderExcluir
  6. Oiee,
    Gostei da resenha, deu para perceber que você gosta de livros mais tensos, com assassinos e muito sangue hahaha, o livro parece ser bom, mas não faz muito o estilo que eu gosto de ler, quem sabe um dia eu venha a dar uma chance a leitura.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  7. A Darkside é uma editora mais que necessária, lançando livros publicados há muito tempo que temos a chance de ler.
    Eu não tinha lido nenhuma resenha do livro e já queria muito ler, depois dessa sua espetacular só posso dizer que preciso do livro, eu estudo sobre psicopatia e são poucos livros que trazem personagens tão complexos e cenas tão detalhadas, chocantes como esse parece fazer, a curiosidade bateu forte para saber o que essa revelação surpreendente, assim que puder pretendo comprar o meu e ler o mais rápido possível.

    ResponderExcluir