quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Os Mortos Vivos - Peter Straub



Sinopse

A história se passa na pacata cidade de Milburn, e envolve um grupo de quatro amigos que formam a Sociedade Chowder: Ricky Hawthorne, John Jaffrey, Sears James e Edward Wanderly, que tem o custome de reunirem-se duas vezes por mês para contar histórias de fantasmas. Quando uma série de estranhos eventos começam a acontecer na cidade, eles resolvem pedir a ajuda de Donald Wanderly sobrinho de Edward. Donald é um escritor e seu último livro era sobre esse assunro. Ele chega na cidade e eventos ainda mais estranhos acontecem, alguns deles incluem uma ex-namorada de Donald, uma ex-moradora da cidade e alguns integrantes de uma das histórias de Sear James contada em uma das reuniões da Socidade.

Resenha
Acho esse título em português inadequado, pois se trata de um livro sobre fantasmas, mesmo estes sendo retratados de um maneira como nunca li antes. O início já é intrigante. Um homem e uma menina atravessando os Estados Unidos de carro. Adoro livros que se passam em estradas, principalmente histórias de terror. A relação entre essas duas pessoas me deixou curioso, pois não era revelado o que o rapaz era da garota, nem do que eles estavam fugindo. O que ficava evidente era algo de muito estranho envolvia aquela criança. Após esse prólogo promissor a história se desloca para a cidade Central do enredo. Peter é minucioso na construção de seus personagens. Ele não se preocupa muito em fazer com que o leitor crie empatia por eles, mas que conheça suas motivações, suas personalidades e a história de cada un para que criemos uma grande expectativa sob como eles reagirão em relação aos eventos bizarros que ainda estão por vir.

O terror vai surgindo aos poucos, através de acontecimentos aparentemente desconexos, cujo denominador comum é a cidade de Milburn. Não que os fatos só ocorram ali, mas mesmo quando o mal persegue suas vítimas fora da cidade,  essas pessoas tem alguma ligação com o lugar. O livro tem um ritmo muito inconstante. Em alguns momentos os acontecimentos são tão envolventes que você não quer parar a leitura, mas há também muitas cenas arrastadas. Porém, quando chega nas trezentas páginas, a trama ganha consistência e eu fiquei feliz em saber que ainda faltavam mais de duzentas páginas para o final. Pois personagens que até então estavam dispersos se tornam próximos e se unem para enfrentar um inimigo em comum. Um inimigo que não está sozinho, mas tem aliados que o ajudam a virar a cidade do avesso em poucos dias. Straub abusa tanto do terror, criando cenas que mexe com nossos medos mais pelo que é sugerido, como cadáveres de animais encontrados mortos e sem sangue, quanto do horror, com cenas abomináveis de uma violência brutal. Não sei o que me causou mais medo, o terror daquilo que era presumido através de indícios jogados na minha frente à cada página ou do horror das cenas quando aqueles fantasmas mostravam escancaradamente suas faces. Mas certamente o que me causou uma forte impressão foi a desumanidade daqueles seres, o quanto se divertiam com o sofrimento que causavam.

O livro me arrebatou com sua narrativa vigorosa. Cada vida perdida era lamentável. Sentia uma pena por cada morte. Era desesperador ver os cadáveres de acumulando, pois a cada assassinato brutal era como se os heróis estivessem perdendo uma nova batalha para o mal. E cada investida dos protagonistas contra os seres que os perseguiam era um alento, como se o autor nos tranquilizasse mostrando que aquelas criaturas não eram indestrutíveis.

Peter Straub conseguiu escrever um livro excepcional usando como matéria prima um ingrediente que está dentro de todos nós que é o medo do sobrenatural, aquilo que não conhecemos e, diante do qual nos sentimos totalmente vulneráveis. Esse livro até pouco tempo era uma raridade, havia sumido dos sebos virtuais e quando aparecia, certamente não devia ser num valor atrativo. Mas ele vem reaparecendo e por preços nem tão absurdos. O meu tive a sorte de achar numa banca de livros usados por R$ 10,00 há cerca de um ano. É  um livro essencial para os fãs de terror e, como a Record vem lançando regularmente os livros do autor, tenho esperança em que haja uma reedição, pois essa obra prima merece.

4 comentários:

  1. Olá Ronaldo!

    Os Mortos Vivos é um livro que já tive várias oportunidades de ler porém nunca me chamou atenção.Mas agora com sua resenha fiquei curioso.Parece ser muito interessante.Conheço a escrita do Peter Straub somente pela sua parceria com Stephen King em O Talismã e a Casa Negra.Nunca li nada escrito só por ele mesmo e acredito que esse livro seja uma boa pedida pra primeira leitura.Parabéns pela resenha.Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não me animei muito com o livro,tanto que ficou mais de uma ano guardado. Só o tirei da fila porque algumas pessoas com o gosto parecido com o meu falaram muito bem dele. Recomendo que lhe dê uma chance.

      Excluir
  2. Sempre quis ler esse livro e depois dessa resenha me animei mais ainda, mas infelizmente ele não é tão facil de se achar em bom estado por ai.

    ResponderExcluir