quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Os Condenados - Andrew Pyper


Sinopse

Danny Orchard conseguiu enganar a morte e ganhou uma segunda chance para viver. Só que ele não voltou do inferno sozinho. Danny passou por uma experiência de quase-morte em um incêndio há mais de vinte anos. Sua irmã gêmea, Ashleigh, não teve a mesma sorte. Danny cuonseguiu transformar sua tragédia pessoal em um livro que se tornaria um grande best- seller. Mas, mesmo depois de morta, Ash continua sendo uma garota vingativa e egoísta, como sempre. Danny parece condenado à solidão. Qualquer chance de felicidade é destruída pelo fantasma de seu passado, e se aproximar de outras pessoas significa colocá-las em risco.

Resenha

Andrew não se demora na hora de contar a vida pregressa dos personagens. Em poucas páginas nos apresenta uma família marcada pela tragédia, onde Ash, a filha, desde muito pequena causa um incômodo nos pais e em Danny, seu irmão gêmeo. Uma garota perversa, que emana maldade e de maneira sutil manipula as pessoas para satisfazer seu sadismo. O livro é todo narrado em primeira pessoa, pelo ponto de vista de Danny, cuja convivência com a irmã é angustiante, já que a menina o tem como alvo principal. Porém, achei que o autor explorou muito pouco essa fase do livro, acelerando os acontecimentos para que a parte sobrenatural começasse. Se conhecessemos com mais detalhes Ash em vida e acompanhássemos suas maldades, o livro teria um sabor especial.

Após a morte de Ash e a experiência de quase morte de Danny, que retorna do Paraiso após um coma, sua vida tinha tudo para tomar outro rumo, mas o fantasma passa a assediá-lo. Danny é um rapaz solitário, sem amigos, cuja rotina é dedicada às palestras que ministra relatando sua experiência pós morte. O autor foi muito hábil em ressaltar o quanto a vida de Danny é vazia, para então colocar em seu caminho uma mulher. Willa é uma viúva, com um filho, que se torna muito importante na vida de Danny, tanto que não demora para que eles se casem e formem uma família. É tocante a maneira como Danny vai refazendo sua vida. É linda sua relação com a esposa e, principalmente, com seu enteado Eddie, que é um menino encantador. Eles trazem muita luz à vida de Danny e isso faz com que as investidas de Ash sejam mais temidas. Você não quer que toda aquela felicidade que está sendo construída acabe e dá muita revolta em saber que Ash pode destruí-la com tanta facilidade. O autor cria situações em que eu ficava com o coração na mão. À cada toque de telefone eu ficava sobressaltado ao acreditar que houvesse acontecido algo com um dos personagens, pois Ash não dá trégua em suas investidas contra a família de Danny. Sem falar em suas aparições, que são terrificantes. Apesar do autor não se importar muito com estilo, em criar atmosferas, a naturalidade de seu texto, a assertividade em suas descrições, ele usa de poucas palavras pra descrever um cenário, mas é muito preciso, são arrebatadores o suficiente.

O livro tem um ritmo bom até o final da segunda parte. Danny faz mais uma experiência de quase morte (ele faz várias dessas viagens durante o livro), mas desta vez ele vai para o Inferno. Desse modo, a ação do livro se desloca para lá. E foi aí que perdi o entusiasmo. Não gosto de livros que se passem em mundos mágicos, onde tudo pode acontecer. Gosto, é claro, de histórias com elementos sobrenaturais, mas ambientados num mundo real, sujeito às leis da física, onde tudo tem um limite. Esse tipo de aventura fantástica me cansa muito e por isso a leitura deixou de fluir.  Mas é inegavel que essa cenas sejam muito bem escritas. Achei curiosa a visão que o autor tem do Inferno. Só que essa narrativa de um heroi errante, buscando respostas, estragaram minha leitura que até então estava sendo maravilhosa. O que há de muito interessante nessa fase é que essa viagem ao Inferno reserva revelações estarrecedoras sobre a vida de Ash. Nesse momento eu entendi porquê o autor foi tão reticente no início, pois há surpresas impactantes no final.

Se não fosse essa saga durante a quase morte de Danny, que leva quase oitenta páginas, esse livro estaria entre os meus favoritos. Mas é algo muito pessoal, acredito que quem curte esse tipo de narrativa fantástica vá se esbaldar. Andrew conseguiu seguir por diversos gêneros sem se perder e arrematou tudo isso, o drama, o suspense, o horror, a fantasia, escrevendo um livro de terror à moda antiga, algo que tem feito muita falta atualmente.




2 comentários:

  1. Olá Ronaldo!
    Desde que esse livro foi lançado eu fiquei interessado mas tinha minhas dúvidas.
    Até agora sua resenha foi a que mais me trouxe informações acerca desse livro.
    Li O Demonologista e odiei.Achei muito sem pé nem cabeça mas quero dar uma nova chance a esse autor,que é elogiado até pelo Stephen KIng!
    Grato pela informação detalhada acerca do livro.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo que minha resenha o ajudou a se decidir.

      Excluir