segunda-feira, 25 de julho de 2016

O Bom Sujeito - Dean Koontz




Sinopse

Timothy Carrier leva uma vida tranquila até que, numa noite, um dos clientes do bar que ele costuma frequentar o confunde com um assassino profissional e encomenda a morte de Linda Paquette. As coisas se complicam quando o verdadeiro assassino chega, logo depois. Temendo que o assassino descubra que foi enganado, Tim decide procurar a mulher que ele nem sequer conhece para alertá-la de que sua vida corre perigo. Porém, o matador, um cruel psicopata, já está atrás deles.

Resenha

Há um filme chamado Morte Por Encomenda, com Nicholas Cage, que tem a mesma premissa que esse livro e achei que se tratasse de uma adaptação da obra de Dean. Por isso fui semrpe adiando a compra e depois a leitura do livro, já que conhecia a história e não a achava grande coisa. Mas, qual foi a minha surpresa ao descobrir que os dois enredos são completamente diferentes e o filme não tem nenhuma relação com o livro, exceto o mote inicial. Coincidência, plágio ou homenagem, isso eu não sei dizer. E gostei de constatar isso, pois estava diante de uma trama totalmente inédita. E que trama! 

O primeiro capítulo já dá um conto por si só, com uma mal entendido levando ao outro e selando o destino de três personagens. Tim, como o próprio título diz, é um homem bom, honesto e capaz de atitudes nobres. Tanto que coloca sua vida em risco para salvar a vida de uma desconhecida. Linda Paquete é uma mulher solitária, com uma visão cínica da vida, o que não a impede de perder o bom humor. A química entre os dois é instantânea e Dean coloca mais uma vez em ação o seu talento de criar casais convincentes, acho que esse é um dos maiores atrativos em seus livros, pois faz com que a gente torça pelos personagens. Embora, nesse caso, o autor exagere no humor que permeia os diálogos, fazendo com que em alguns momentos eles pareçam um casal de debiloides, não dá pra não se encantar pelos dois. E conforme a história evolui e o bicho pega, as piadinhas ruins dão lugar a diálogos mais consistentes.

E não posso deixar de falar de Krait, o psicopata que persegue o casal. Megalomaníaco, sádico e implacável, Krait é uma figura assustadora que toma grande parte do livro e se esbalda em violência durante sua perseguição a Tim e Linda. Muitos cruzam seu caminho durante esse empreitada e são poucos os que saem ilesos. Destaco uma cena por volta da página duzentos na qual ele invade uma residência e ao ser surpreendido, inicia um jogo psicológico com a pretensa vítima, que me fez devorar as páginas.

O que torna a leitura viciante é a grande quantidade de mistérios. Linda guarda um segredo do passado, que é o motivo de ter se tornado uma pessoa tão amarga. Tim também tem um drama em sua juventude. E, o mais intrigante de todos, o motivo de alguém ter encomendado a morte da escritora. Nem ela tem ideia de porque está sendo perseguida. E com a ajuda de Pete, o fiel amigo policial de Tim, eles se deparam com uma conspiração de enormes proporções. Conforme o fim se aproximava e a ação continuava intensa, achei que o autor não daria todas as explicações, mas ele esclareceu todos os mistérios de maneira ágil, mas ao mesmo tempo clara. Achei uma explicação plausível e coerente com todos os acontecimentos anteriores. Só achei um pouco forçada a decisão de um dos vilões em relação ao que fazer com Tim. Mas não vejo como o autor pudesse escolher outro final, sem melar com tudo. Pelo menos foi um desfecho que posso chamar de digno. Não esperava muito desse livro e fico feliz que ele tenha superado minhas expectativas. Entre os livros de Dean Koontz, O Bom Sujeito ganhou um lugar entre meus favoritos.


4 comentários:

  1. Eu gosto muito desse autor e acho os vilões dele muito interessantes e malvados.
    Gostei da resenha, vou colocar na minha lista.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar de achar o perfil de seus vilões muito parecidos, gosto demais quando eles aparecem.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Pra você que está descobrindo o autor é uma ótima opção, abracos.

      Excluir