quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Ossos Perdidos - Kathy Reichs


Sinopse

A Dra. Temperance Brennan já está habituada com casos mirabolantes que exigem sua perícia como antropóloga forense. Mas desta vez, os ossos a que lhe caem em mãos não são resultado dos crimes urbanos com o qual está acostumada a lidar. Ao visitar a cena de assassinato de um comerciante judeu ela se depara com a pista de um esqueleto que acredita-se ser de Jesus Cristo.Tempe e o namorado, o detetive Ryan se empenham na investigação e descobrem estar no caminho de poderosas instituições. As pistas levarão o casal até a Israel, onde terãod e enfrentar difíceis obstáculos para desvendar esse mistério.

Resenha

Para quem não sabe, os livros de Kathy Reichs foram a base para a série de TV Bones, a comédia policial protagonizada pela Dra. Temperance Brennan, na qual especialistas forenses vivem às voltas com complicados crimes. Mas não esperem encontrar  nas páginas a adorável antropóloga avoada e muito menos sua divertida equipe. A Dra. Brennan do livro não tem nada a ver com a personagem da série, sendo seu único ponto em comum a profissão de especialista em ossos.

Narrado em primeira pessoa pela antropóloga, Ossos Perdidos é um suspense com um ritmo incessante, que nos leva das frias salas de perícia criminal de Montreal até as panorâmicas paisagens de Jerusalém. Tive duas experiências com Kathy. A primeira foi com Segunda-Feira de Luto, um excelente thriller que pecava apenas pelo excesso de termos técnicos. Achei Kathy extremamente pedante nesse livro, dando explicações que eram covardia a um leitor leigo. Já Deja Morta, seu romance de estreia, não consegui terminar. O abandonei devido a ser exageradamente descritivo. Cada mudança de cenário me deixava desalentado, porque sabia que seriam umas cinco páginas só pra ambientar a cena. Mas em ossos o 12º livro da série, que não está sendo lançada em ordem no Brasil, notei logo de cara que a autora evoluiu muito. O livro é bem mais enxuto que os anteriores e até a personagem está mais divertida. Brennan vive soltando piadinhas durante a narrativa, a maioria, das piadas são péssimas, mas dão uma leveza bem vinda à trama.

Porém, se os detalhes forenses estão na medida certa e numa linguagem mais acessível, outro aspecto da trama empacou a leitura. O livro fala sobre o assassinato de um comerciante judeu, cujo motivo está relacionado ao aparecimento de uma ossada que remonta a época de Jesus e cuja origem pode abalar os fundamentos da religião católica. É um excelente mote para um enredo, mas são tantos detalhes históricos, cronologias e ramificações genealógicas que tem hora que o meu raciocínio dava um nó. Porém Kathy a todo instante recapitulava os fatos por meio dos diálogos de seus personagens. Quando eu achava que precisaria voltar algumas páginas para tirar algumas dúvidas, Brennan e seus parceiros recapitulavam os acontecimentos, o que facilitou muito a minha vida. Porém nada disso prejudica o ritmo dos acontecimentos. Devido a esses detalhes, a leitura não é tão fluída, mas a ação é incessante. A protagonista tem seu quarto de hotel revirado, é seguida por homens suspeitos, é encurralada numa caverna por um grupo de fanáticos religiosos e até mesmo enfrenta uma fera selvagem. O livro, além da trama policial, tem muita aventura e humor. E Reichs geralmente encerra os capítulos com um gancho, o que te faz querer ler sempre mais um pouco e nessa brincadeira, as páginas passam que nem percebemos.

Com ossos perdidos, me reconciliei com Kathy Reichs. Pretendo ler os outros livros que saíram no Brasil. Só lamento que, com uma série longa como essa, tão poucos títulos tenham sido traduzidos e ainda fora de ordem. Mas é o que tem pra hoje.

2 comentários:

  1. Não acompanho seriado, vi apenas alguns episódios avulsos mas tenho muita vontade de assistir. Não sabia que tinha o livro e embora sejam diferentes em certos aspectos é sempre bom conferir.
    Beijos
    http://recolhendopalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar de ter gostado dos livros esse é um dos poucos casos em que prefiro o seriado.

      Excluir