quarta-feira, 5 de agosto de 2015

O Peão - Steven James

                                                                   
                                                                           Sinopse

Com uma inteligência acima da média, o agente especial do FBI Patrick Bowers chega, nessa série, ao limite de suas capacidades, enfrentando criminosos cada vez mais habilidosos. Trazido da Carolina do Norte para ajudar no caso de um serial killer, ele  se vê no meio de um jogo ardiloso contra um astuto criminoso que está sempre um passo à frente da lei. Bowers vai ter que usar todos os seus instintos, habilidades e suas modernas e controversas técnicas de criminologia ambiental para deter o homem que se autodenomina o Ilusionista.
                                                                       
                                                                          Resenha


Passei a me interessar pelo trabalho de Steven James através do blog S2 Ler e até então não sabia que ele escrevia livros policiais, mas ele o faz e muito bem. O peão é o primeiro volume da série os Arquivos de Bower, mas é um livro independente. A história tem uma conclusão, mas deixa as portas abertas para sequências.

Patrick Bower é um especialista em criminologia ambiental. Ele estuda o cenário do crime e dali cria suas teorias para saber como o criminoso pensa, age e se motiva. Não conhecia essa especialidade. Mas as singularidades do personagem não param por aí. Patrick é um dos detetives mais humanizados que já conheci. Suas passagens são narradas na primeira pessoa, o que ajuda a se estabelecer um vínculo com o leitor, mas não é só isso. Ele é um profissional infalível, mas nas relações pessoais é um completo desastre. Ele é muito desajeitado ao se aproximar das pessoas. Suas investidas românticas com uma de suas parceiras de investigação, a chinesa Lien-hua, são cômicas. O cara só dá foras. E em sua complicada relação com a enteada Tessa a coisa é ainda mais difícil. Por mais que ele se esforce para conquistar a amizade da garota, acaba por afastá-la ainda mais.

O enredo começa como uma típica história de serial killer, sem nada de especial. Porém, a trama vai ganhando contornos imprevisíveis. Além da narrativa em primeira pessoa temos diversos outros pontos de vista em terceira pessoa, o que torna faz a leitura render. Além disso os capítulos são curtos e há muita ação. Há bastante espaço para os problemas pessoais de Patrick, mas isso não empata a leitura. São descansos até bem vindos, pois a trama tem muitos desdobramentos que fariam o leitor se perder caso não houvesse um descanso. Até porque a escrita de Steven é ágil demais. O cara não chega a ser superficial, achei sua narrativa bem consistente, mas ele é um escritor que não perde tempo e em alguns pontos é necessária uma explicação mais detalhada, nem tanto para compreender, mas para dar mais atmosfera ao livro.

Isso porque o que começa como a caçada a um assassino em série, leva os agentes a um outro crime, ligado a uma tragédia real: o massacre de Jonestown em 1978. Nesse ponto, ficção e realidade se misturam e o autor o faz de maneira muito cuidadosa. Sem querer ter a pretensão de levantar teorias levianas, ele insere um acontecimento fictício dentro desse contexto, mas sem ligar diretamente nenhum  personagem real a essa história. Aliás, na ficha técnica do livro há um adendo de Steven explicando que apesar de haver alguns acontecimentos reais em seu livro, a parte fictícia foi criada com todo o respeito pelas vítimas, sem o intuito de desonrar ninguém. Mas voltando ao assassino, ele se denomina O Ilusionista, e faz jus a essa alcunha. Ele engana Patrick a todo instante, desviando sua atenção enquanto planeja seus próximos crimes. É um vilão assustador, que parece adivinhar cada passo de seu rival, o que me deixava com uma raiva que só me fazia correr as páginas para ver a hora em que ele ia levar a pior. Adoro quando um personagem me tira da impassibilidade e me faz vibrar durante a leitura.

O Peão é a estreia promissora de uma série, com diversos elementos. Um assassino cruel, passagens chocantes, muita adrenalina, terrorismo biológico e um final eletrizante. Uma série que vou acompanhar com assiduidade. Mais um escritor que me ganhou e um protagonista que entrou para a minha galeria de preferidos.

4 comentários:

  1. Ronaldo, li faz pouco tempo do autor Jogadas de Abertura, que se não me engano é o sexto livro da série publicado por aqui, mas a história se passa mais de uma década antes deste o Peão, e com o mesmo protagonista ainda. Pensa no livro bom ! Já se encontra entre os meus livros policiais preferidos. Ele também possui ligações com fatos reais. Em breve lerei O Peão. O bom que pelas resenhas da série que andei lendo, a alta qualidade dos livros se encontra em todos volumes !

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em O Peão há uma alusão ao episódio que deu origem a esse livro, Maurilei, e por isso estou curioso para ler.

      Excluir
  2. Adoro conhecer novos autores.
    Obrigado por mais uma recomendação de leitura!
    Falta tempo para poder ler de tudo, mas é sempre bom ficar por dentro.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até agora só conheço o peão, mas a série parece ser bem promissora. Quando puder, leia. Abraços.

      Excluir