terça-feira, 2 de junho de 2015

Sete livros sobre "sofrência"

Seis Anos Depois

Acho impressionante a capacidade de Harlan Coben em transformar tristes histórias de amor em enredos de eletrizante suspense. Mas no caso desse livro, sentimos a sofrência do personagem principal durante todo o livro. Mesmo com toda a ação vertiginosa que faz as páginas correrem, o que move o protagonista é o amor. Jake Fisher e Natalie Avery se conhecem no verão. Eles se apaixonam e vivem juntos os melhores meses de suas vidas. Mas, inexplicavelmente ela rompe o namoro e diz que se casará com outro, pedindo a Jake que nunca mais a procure. Mesmo sem entender nada ele respeita sua decisão e curte uma sofrência por longos anos. Até que ao ver o obituário de Todd, o marido de Natalie, decide quebrar sua promessa. Daí pra frente, é uma surpresa atrás da outra.


Amor de Perdição

Esse foi um dos livros que mais marcaram minha adolescência. Trata-se do amor proibido entre Simão e Teresa, de famílias rivais, que enfrentaram diversos obstáculos para ficarem juntos. Eles mantêm um namoro silencioso através das janelas próximas e ambas as famílias, desconfiadas, fazem tudo para combater a união. São diversos desencontros que permeiam a história, sempre carregados de muita sofrência quando o casal se separa. Na verdade, se somar as páginas em que eles ficam juntos, não deve dar nem trinta. É um romance no estilo Romeu e Julieta, mas tem um quesito adicional, que é a paixão platônica da leal Mariana pelo amigo Simão. Ela curte sua sofrência calada e abre mão de lutar por sua própria felicidade, para ajudar o casal. O final é triste demais, por isso, não aconselho que o leiam em estado de sofrência, pois pode piorar a situação. Nesse caso é melhor ouvir Pablo mesmo.

Lua Nova

 Namorar um vampiro pode ser uma experiência excitante, mas tem seus perigos. Além da força monstruosa dessas criaturas, que podem te despedaçar com um abraço, há tantas intrigas e rivalidades em seu meio, que se meter nessas picuinhas seculares não é nada aconselhável. E é para proteger sua namorada Bela, que Edward toma a decisão de abandoná-la. Mas como explicar isso para uma pessoa apaixonada? Ao se ver deixada para trás, a jovem cai numa profunda sofrência, e derrama suas mágoas sobre o computador, desabafando em seus longos e tediosos monólogos. Porem sua tristeza é logo farejada por um velho conhecido e ao invés de se rasgar ouvindo Pablo, ela decide trocar a solidão pela companhia do viril Jacob e trocar as intrigas vampíricas pelos dramas da sociedade lupina.



O Outro Lado Da Meia Noite

Nesse a sofrência foi em dose dupla. Noelle não cabe em si de felicidade ao ganhar um vestido de noiva de seu amante Larry Douglas. Mas sua alegria logo acaba ao descobrir que foi abandonada pelo piloto de guerra. A francesa curte então uma profunda sofrência, sozinha num quarto alugado em Paris. Não tem Pablo para lhe confortar e se tivesse talvez não houvesse tomado uma atitude tão radical, que chocou muitos dos leitores. A outra sofredora é Catherine, que passa maus momentos nas mãos do mesmo homem. É trocada pela antiga amante de Larry e mergulha numa profunda depressão, engordando, se enfeiando e assim, afastando o marido ainda mais. No caso de Catherine também não houve nenhum Pablo para consolá-la, mas a ajuda de um fiel amigo e algumas horas num spa e num salão de beleza consertaram o estrago.



Fim De Caso

Maurice é um escritor que se se apaixona por uma mulher casada, Sarah, e seu amor é correspondido. Porém, era amigo do marido da jovem, o que o coloca num terrível dilema. O que não impede o romance. Eles vivem um caso de amor secreto, cheio de culpa até que Sarah decide abandoná-lo. Desesperado, Maurice acredita que ela esteja envolvida com um terceiro homem. Se está ou não vou revelar, mas o caso pecaminoso chega ao fim e todo esse processo rende muita sofrência  a Maurice, que não se conforma com a separação. Fim de Caso tem um dos textos mais delicados escritos por Graham Greene e a adaptação cinematográfica não deixou a desejar. Uma triste história de amor com uma mensagem das mais edificantes.




Querido John

John abandona sua rebeldia juvenil ao tomar a decisão de alistar-se no exército após concluir o ensino médio. Durante sua licença, conhece a Savannah Lynn Curtis e a paixão é instantânea, tanto que a jovem promete esperá-lo terminar seus deveres militares. Porém o atentado de 11 de setembro muda radicalmente o destino do casal. No Iraque, John recebe uma carta de sua amada, dizendo que se está apaixonada por outro. Aí começa a sofrência do soldado, sozinho num país distante. Ao retornar para os Estados Unidos, ele descobre que o marido de Savanah está sofrendo de câncer e sem dinheiro para pagar o tratamento. E é então que, a despeito de sua sofrência, toma uma atitude tão nobre que mostra que ele não é um herói apenas no meio de uma guerra.



Em Algum Lugar Do Passado

Essa é uma sofrência metafísica.Richard Collier é um autor teatral que na noite de estréia da sua primeira peça recebe os cumprimentos de uma senhora idosa que lhe suplica a frase" volte para mim" e vai embora. Tempos depois, num hotel ele se depara com o retrato de Ellise, uma atriz do ínício do século XX e se apaixona pela sua imagem. Através de uma intrigante sequência de acontecimentos ele descobre que essa mulher é a mesma que apareceu já idosa na sua estreia e fica obcecado por reencontrá-la, mesmo que seja voltando ao passado. Ele consegue e vivem uma intensa paixão. Mas manipular o tempo tem seus riscos e a consequência é uma profunda sofrência de Richard ao voltar ao presente e descobrir que quase um século o separa de sua amada. Se eles se reencontram, só lendo o livro pra saber, mas pelo menos nesse século tem Pablo para ele se consolar.

2 comentários:

  1. AAAAH olha o lua nova aí :)))
    Vou ler semana que vem, estou na expectativa .
    Beijos
    http://lerporquesim0403.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Stephenie Meyer tem lá seus defeitos, mas ela teve o mérito de vender horrores e trazer muita gente para o mundo da leitura.

      Excluir