segunda-feira, 29 de junho de 2015

Em Nome do Mal - James Oswald






                                                  Sinopse

O corpo mutilado de uma jovem, vítima de um ritual macabro ocorrido há sessenta anos, é encontrado no porão de uma mansão. Os braços abertos, as mãos pregadas no piso de madeira, os órgãos removidos e dispostos em seis recipientes de vidro em torno da vítima. Além disso, uma proeminente figura local é brutalmente assassinada, um imigrante ilegal corta a própria garganta em um bar no centro da cidade, uma mulher se joga na linha do trem e outras quatro pessoas são mortas de forma violenta. O inspetor Anthony McLean tem certeza de que há uma ligação entre os assassinatos, os suicídios e o ritual no porão, mas não consegue encontrar uma explicação racional para os fatos. Na medida em que as coincidências aumentam, ele é forçado a considerar uma explicação sobrenatural. As respostas que McLean procura logo farão com que se depare com a própria essência do mal.


                                                 Resenha


Este é o primeiro volume da série do detetive Mclean, o que me deixou super animado, já que nem sempre lançam as séries na ordem. A sinopse e um comentário na contra capa prometem um livro sombrio, noir, com um tema bizarro e incursões no sobrenatural, o que me fez esperar por uma obra densa, mas não foi o caso. Há sim um assassinato ritualístico cometido por motivos macabros e uma leve insinuação sobrenatural, mas é algo bem sutil. Não chega a mudar a classificação do livro de
policial para terror. Existe sim uma quantidade imensa de assassinatos, você tropeça nos cadáveres. Além disso, há muitas cenas de autópsia. O autor não poupa nosso estômago, descrevendo vividamente os detalhes da necropsia e os estragos causados nos corpos das vítimas. Porém, ao contrário do que ocorre em outros livros do gênero, as descobertas feitas pelo legista não revelam pistas perturbadoras, daquelas que mudam o rumo da investigação. São apenas descrições chocantes, mas gratuitas. Isso deixa o livro morno nos primeiros capítulos.

Mclean, o personagem principal, é um jovem inspetor cuja avó está em coma há oito meses depois de sofrer um AVC. O que me encantou em Mclean logo de cara é a sua vulnerabilidade. Mesmo sendo um policial competente, ele tem uma fragilidade que consegue esconder da maioria das pessoas. Solitário, convive com a dor pela morte violenta de sua noiva. Porém, mesmo com todas as tristezas, ele mantém o bom humor. Principalmente em seu trabalho, onde as intrigas com os superiores o obriga a pisar em ovos. Vive sob fogo cerrado e quando comete qualquer erro, as consequências geralmente são desastrosas. Um problema no núcleo policial do livro, é que apesar de divertido, é muito populoso. São muitos os policiais e muitas vezes você acaba não guardando quem é quem. Porém, com o desenvolvimento da história, muitos deles vãos se delineando e alguns personagens que pareciam sem nenhuma relevância, acabam por ter uma papel  fundamental na trama.

Quanto aos crimes há para todos os gostos. O assassinato de homens terceira idade que são encontrados eviscerados, suicídios sem explicação, roubos de residência e o desaparecimento de uma adolescente. Quando o livro está alcançando a metade, as pistas começam a ficar mais intrigantes e agora sim as autopsias passam a revelar fatos que mudam o rumo dos acontecimentos. Daí em diante o livro ganha um ritmo alucinante. Mais crimes vão surgindo, mas a essa altura já conseguimos visualizar um padrão e as ligações entre eles. Pois todas as camadas de crimes está interligada.

Apesar do final não ter me surpreendido, pois o mistério não é tão hermético, não tinha ideia de como e porque alguns assassinatos foram cometidos e a resposta me deixou impressionado. Contudo, devo salientar que ficaram algumas pontas soltas. A escrita de James é muito agradável, não se sente as páginas correrem e, apesar de ser um tanto raso em alguns aspectos, o autor conseguiu criar um livro simpático, intrigante, repleto de ação e foi muito hábil em conduzir aquela fábrica de assassinatos. Pretendo acompanhar a série, pois há detalhes sobre o passado do personagem principal que quero conhecer e espero que a Record não demore a lançar os novos volumes.

2 comentários:

  1. Ronaldo, como sempre, sua resenha ficou instigante. Gostei muito do enredo e da sua análise – sou suspeito, né? Caramba! Romance Policial com uma pegada sobrenatural é muito foda!
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que você gostaria, é um estilo bastante parecido com o que você curte.

      Excluir