quinta-feira, 21 de maio de 2015

Sete famílias que tocaram o terror

Família Corleone

Uma das famílias mais conhecidas na cultura pop, os Corleone foram marcados pela tragédia, sofreram pela perda de entes queridos, sacudiram o mundo do crime com suas negociatas e burlaram habilidosamente a lei. Mario Puzo foi muito bem sucedido em retratar os bastidores das famílias mafiosas, sem cair no caricato, sem apelar para o sensacionalismo e ainda agradar a própria máfia, que segundo ouvi dizer, adorou o livro. Don Vito Corleone, o patriarca da família é um dos personagens mais marcantes do cinema e também da literatura. Um homem que, apesar de seguir um rígido código de ética, também sabe punir os traidores e perseguir seus desafetos. Michael, caçula de D. Vito é outro membro da família que se destaca. Considerado um civil, já que não tem negócios com a máfia, aparenta ser uma pessoa tranquila. Mas mexa com seu pai para ver do que ele é capaz. Sem falar em Johnny Fontane, afilhados do chefão, que dá uma leveza bem vinda ao livro com seu jeito irreverente e sua vontade de ser ator. Porém, negue um papel a ele que você corre o risco de receber seu animal de estimação pelo correio em pedacinhos. Incesto, espancamentos, emboscadas e até um carro bomba compõem a história dessa família criada pelo talento admirável de um escritor e imortalizada pelo público.


Família Hamleigh

Ambiciosos, desalmados e dissimulados, os Hamleigh estão sempre na posição que lhes é mais conveniente. No cerne do poder, quando isso é favorável, ou no bastidores, comendo pelas beiradas e corroendo as relações entre os aristocratas na corte da Inglaterra. Percy Hamleigh, conde de Shiring e patriarca da família, não teve nenhum pudor em entregar seu antigo amigo , o conde Earl Bartholomew, por traição, levando-o à forca. Tudo bem que as relações entre eles estava estremecidas pelo fato da filha de Bartholomew ter rejeitado o filho de Percy, mas isso não justifica. Até porque o jovem Willian era um boçal. Tanto que assim que encontra uma nova noiva e a desposa, dá-lhe uma tremenda surra durante a lua de mel, deixando a pobre traumatizada. E não menos perigosa, pelo contrário, a mais ardilosa de todas, é Lady Regan Hamleigh, a mãe, que abusa de suas artimanhas. A palavra lealdade não está no dicionário da megera, que sempre dá um jeito de se aliar a quem está no comando e desfazer qualquer ligação com os perdedores. Capazes de derrubar um rei, os Hamleugh são uma das famílias mais nocivas da literatura.


Família Lannister

Só o fato de ser a família que originou Jofrey, já dá para se ter uma ideia do nível de caráter desse clã. Logo de cara nos deparamos com o romance incestuoso entre os irmãos gêmeos Cersei e Jaime, que teve início na adolescência e permaneceu em segredo durante muitos anos. Segredo esse que quase custa a vida de uma pobre criança. E se por um lado Cersei ama um irmão até demais, de outro ela odeia seu irmão Tirion, a quem culpa pela morte da mãe. A disputa pelo poder é uma marca dessa família desunida, que esconde por trás das falsas aparências profundos conflitos que acabam por envolver quem não tem nada a ver com isso. Do patriarca Lord Tywin Lannister, que com suas manobras políticas destruiu a vida de muita gente, ao fedelho Jofrey que ao se tornar  rei abusa de sua posição para praticar as maiores barbaridades, a família Lannister se tornou uma as mais infames dos Sete Reinos.


                                                                               
Família Blackwell

O que torna essa família tão pavorosa é o fato de terem cometido atrocidades não com os de fora, mas entre si. Foi mais de um séculos de ódio, mentiras, traição e crueldades. Enganado e quase morto pelo seu futuro sogro, Van Der Mewew, Jamie Mcgregor vingou-se não apenas em seu inimigo, mas também em sua filha. Após se casarem tratou a jovem Margareth com menos consideração com que trataria um burro de carga. Não importa o quanto a jovem se dedicasse a ele, Jamie não lhe dispensava um único gesto de carinho. Com todo esse desamor, uma família não poderia começar bem. E nas gerações seguintes as coisas só pioraram. Kate, a filha de Jamie, manipulou o próprio noivo para desposá-lo, matou os sonhos artísticos do próprio filho e aprontou outras coisas mais, mas a justiça chegou. Através de sua neta Eve, a matriarca dos Blackwell pagou todos os seus pecados. Porém esse não foi o fim. Em A Senhora do Jogo, sequência desse romance, temos mais uma geração de familiares desunidos. Dois primos travando uma guerra pelo poder sem economizar munição, com direito a golpe baixo e tudo.

Família Lockwodd

Os Lockwood sempre foram uma família importante em  Mistic Falls. Tanto que Richard Lockwood era o prefeito da cidade. Um homem rígido, que criou o filho Tyler com excesso de rigor, tornando-o um rapaz revoltado e arrogante. Mas o perigo nessa família não está em seu poder político, nem nas conturbadas relações entre seus membros. O que torna os membros do sexo masculino tão temíveis é o fato de descenderem de uma linhagem de lobisomens. Como Richard nunca cometeu nenhum assassinato, o gene nunca se manifestou. O que não se pode dizer de outros membros da família, como seu próprio filho Tyler, que após matar uma pessoa, se transforma numa fera letal, que vagueia pelas noites da cidade à procura de presas para saciar sua fome de violência. Uma maldição que os Lockwood são obrigados a carregar através de gerações e que contribui para tornar Mistic Falls uma cidade não recomendável a nenhum pacote turístico.



Família Volturi

Eles remontam à antes de Cristo e se proclamam os legisladores da espécie vampírica. São eles quem observam, vigiam e identificam quem foge às regras, e não tem piedade em aplicar as devidas punições. Criado por Aro, um vampiro ambicioso que desejava deter o poder sobre a sociedade vampírica, o clã evoca medo quando mencionado.  Durante toda a vida, Aro foi movido pela ambição e foi devido a essa sua sede que foi transformado, com cerca de 20 anos. Uniu-se a dois outros vampiros, Marcus e Caius e, para engrossar o clã, transformou dois humanos: a irmã, Didyme, e a futura esposa, Sulpicia. Apesar de dividirem a liderança, Aro sempre foi quem esteve no comando, manipulando seus companheiros para que sua vontade prevalecesse. mesmo havendo divergências e dissoluções no grupo, o vampiro sempre cuidou para que o clã continuasse vivo, reinando obre os vampiros durante séculos e não tendo o menor pudor em destruir quem desobedecesse suas leis.



Família Mayfair

A família mais emblemática da literatura de terror, tanto assustou, quanto conquistou gerações de leitores. Rowan Mayfair é o fio condutor dessa saga. Uma mulher com o dom de matar apenas com o pensamento, cuja responsabilidade de ser a 13ª de uma linhagem a colocou diante de escolhas de vida e morte, que a fez abdicar de sua carreira de cirurgiã para entrar num mundo fantástico, onde um espírito terrível a escolheu como mãe, onde teve de abandonar o amor de sua vida para impedi-lo de ser destruído e onde foi obrigada a cometer um pecado imperdoável contra sua prole. Uma família cuja fortuna foi acumulada com a ajuda de uma criatura maligna, que prosperou sob a sua proteção, cujos inimigos foram punidos pela fúria desse ser, mas que pagou duramente por todos esses privilégios.

8 comentários:

  1. Lembro da família Blackwell, várias gerações de ódio. A família Volturi (ô povinho ruim!) tocando o terror entre os vampiros. A família Lockwodd só conheci na série de TV, não parecia tão ruim, mas dizem que nos livros é pior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, nos livros eles são um tanto diferentes.

      Excluir
  2. Oi Ro, como vai?!
    O Reverso da medalha / A Senhora do Jogo, li quando era adolescente...(faz tempo) rs. Quase já não me lembrava mais. Porém, o livro que me deixou instigada (já conhecia por ouvir falar) e sua interpretação ajudou muito a querer conhecer esta obra: ' Os Pilares da Terra'.
    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses romances históricos do Ken Follet são maravilhosos.

      Excluir
  3. Por enquanto em minhas leituras conheci apenas a família Lannister, com sua imensa crueldade e sede por poder. A família Blackwell do livro O Reverso da Medalha está empacado na minha estante. Tenho vários livros do Sidney Sheldon, mas por enquanto ainda não li nenhum. Deve ser porque pelas resenhas que li acho que deve conter muito romance meloso, que geralmente não gosto.

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. No livros de Sidney Sheldon há vários elementos, mas todos abordados com muita coerência, esse é um dos motivos para ele ter conquistado um público tão vasto.

    ResponderExcluir
  5. A família Corleone e Blakcwell, marcaram-me profundamente. A família Volturi também causava arrepios. Já "Os pilares da Terra", ainda não li o livro. Assisti a série. O livro ganhei depois. Preciso lê-lo. Ótimas dicas Ronaldo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acompanhei a série e vale muito a pena.

      Excluir