quinta-feira, 16 de abril de 2015

Sete coisas que você encontrará em Prince Lestat

Após dez anos de silêncio, a voz de Lestat volta a soar e através da prosa sofisticada de Anne Rice, o vampiro mais irreverente, irresponsável, apaixonado e apaixonante da literatura de terror retorna ao mundo dos vivos para matar a saudade de seus fãs. Eu me surpreendi com a notícia de que Anne Rice retornaria ao mudo dos vampiros, já que ela parecia taxativa em suas declarações de que enterrou esses personagens e se dedicaria apenas a escrever para Deus. Mesmo quando ela enveredou pelo mundo dos lobisomens, mostrando que a velha Anne Rice ainda estava na ativa, não esperei que os vampiros tivessem lugar em suas próximas obras. Por isso, foi com uma mistura de surpresa e emoção que ouvi a primeira notícia sobre Prince Lestat, o 11º volume das crônicas vampirescas. Desde então fiquei alucinado por informações sobre o livro e foi com reverência que me deparei com a versão em inglês no expositor da Livraria Cultura, num lugar de honra, como merece qualquer obra de Anne Rice. Não vejo a hora do livro ser traduzido e lançado no Brasil, pois a menos que você tenha um inglês perfeito, o que não é o meu caso, a leitura no original não é tão agradável quanto em nossos próprio idioma. Mas compartilharei com vocês um pouco do que essa obra, que uns amaram e outros detestaram, nos reserva.



Ação

O livro tem muita ação. Apertem os cintos porque a história promete ser tão movimentada quanto A Rainha dos Condenados, que para mim é o livro mais dinâmico das Crônicas Vampirescas. Temos vampiros renegados matando indiscriminadamente, temos uma grande ameaça que exige a união das forças dos vampiros mais antigos, tem passagens curtas, alternando personagens e uma narrativa radiofônica protagonizada por Benji que dá um toque bem vibrante ao livro.






Reencontro da Velha Guarda  

Todos eles estarão lá. Apenas não encontraremos os vampiros dos livros mais recentes, como Quynn de A Fazenda Blackwood. Mas teremos o prazer de reencontrar a bela Pandora, o apaixonante Armand, o sensível Louis, a arredia Gabrielle, todos unidos por uma causa nobre: salvar o mundo de uma grande ameaça. É vibrante ver cada um deles usando suas melhores habilidades, os conhecimentos adquiridos em séculos e mostrando as qualidades de suas personalidades nos momentos mais oportunos. Parece até uma versão gótica de Os Vingadores. 
    
A Talamasca 

A Talamasca estará presente. O livro falará um pouco mais sobre a origem da ordem, sobre seus fundadores e também sobre o que os levou a dedicarem suas vidas a investigar o oculto. Algo que eu costumo dizer é que a Talamasca merecia um livro próprio, com histórias de arrepiar os cabelos, tiradas de seus arquivos secretos. Seria muito bacana revisitar as Crônicas Vampirescas ou a saga dos Mayfair, pelo ponto de vista dos “Talatalkiers” e também conhecer novas criaturas. Em O Vampiro Lestat, são mencionadas criaturas que vivem entre humanos, ocupando cargos de grande influência e que são dotados de super poderes, mas Anne nunca mais tocou no assunto. Que maravilha seria se esses seres fossem desenvolvidos em outras obras.




Os Vampiros Menos Famosos        

Também encontraremos vampiros de menor destaque. Jesse, que brilhou em A Rainha dos Condenados e nunca mais deu as caras, Thorne, que foi tão negligenciado em Sangue e Ouro, já que a sinopse prometia que o livro seria dele e de Marius, mas ele acabou sendo apenas um figurante; Bianca, figura importante na história de Marius e Armand, além de Alessandra, Eugenie, Eleni, Arjun. O lado ruim é que nenhum deles tem importância na história, servindo apenas como audiência. Mas, de qualquer maneira, seria necessário um livro de mais de mil páginas para poder se demorar em cada um desses. Só o fato de mencioná-los já é uma grande consideração por parte de Anne Rice.


Novos Personagens

O livro também traz novos personagens, como Gregory, Sevraine, Viktor e Rose. Viktor é devotado a Lestat e tem um interesse científico pelos vampiros. Sua inclusão nas crônicas abre uma porta para uma nova direção nas história desses seres noturnos que é a possibilidade de Anne Rice dar explicações científicas sobre a biologia dos vampiros, o que pode atrair um novo público para sua obra. Ela não disse nada a esse respeito, que fique claro. Foi apenas um potencial que eu enxerguei através da inclusão de Viktor no elenco de personagens. Assim como a saga dos bruxos Mayfair teve seu lado científico explorado é possível que o mesmo ocorra nos próximos livros das Crônicas. 

Um Lestat Mais Brando


Lestat começa o livro num estado depressivo, em uma crise existencial que o afasta do contato com outros vampiros. O que é de se admirar, pois ao contrário de Louis, Armand e Pandora, Lestat sempre foi um vampiro muito bem resolvido. Sempre dedicou sua além-vida a explorar o mundo, a conhecer mais sobre o natural e o sobrenatural, a fazer suas artes como um moleque travesso. Por isso me espantei com sua apatia inicial. Porém ela dura pouco. Assim que a ação do livro começa, ele volta a ser o Lestat que conhecemos e abraça o mundo, com toda uma sofreguidão que parece se intensificar à cada página. Ele ama como nunca amou antes. Ama sua mãe Gabrielle, ama seus antigos companheiros e, principalmente, ama seus novos seguidores humanos.

Sensualidade

Uma das características das crônicas é a extrema sexualidade que emana de seus personagens. Afinal eles são vampiros, mas não estão mortos. Morto-vivo não é totalmente morto. Há muito magnetismo entre as criaturas da noite e isso é bem explorado em Prince Lestat, sem cair na vulgaridade. Anne tem uma capacidade incrível de mostrar o lado bissexual dos personagens sem soar apelativa, sem levantar bandeiras, mostrando o quanto é natural criaturas da mesma espécie se sentirem atraídas umas pelas outras e o quanto é irrelevante o gênero dessas criaturas. O que não se aplica só aos vampiros, claro, mas à humanidade também. E em Prince Lestat, Anne continuará abordando com delicadeza a sensualidade dos vampiros, mesmo que a mecânica do sexo entre eles não seja a convencional, dada algumas características de sua condição de mortos-vivos. 




Apesar de muitas opiniões negativas, vejo com otimismo essa ressurreição dos vampiros de Anne Rice. Não esperem que Prince Lestat tenha a mesma qualidade dos primeiros volumes das Crônicas Vampirescas, pois se decepcionarão. O livro passa longe do estilo poético, filosófico e sofisticado dos romances anteriores, mas tem seu lado introspectivo equilibrado com as passagens de ação, tem reencontros emocionantes entre nossos queridos personagens e tem uma linguagem mais moderna que certamente atrairá um novo público. Torço para que o livro faça muito sucesso, motivando Anne Rice a prosseguir com a saga. 

19 comentários:

  1. Ronaldo!!!!! Eu não leio livros de vampiros porque nao faz meu gênero. Mas curti seu texto e ri com esses últimos vampiros que curtem uma sacanagem kkkk. Abraços #Guto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem como não brincar com o assunto né? Abraço #Guto. :)

      Excluir
  2. Olá, parabéns pelo blog, vim conhecer e achei um máximo, espero voltar sempre pois é de grande conteúdo, estou seguindo e convido se puder retribuir seguindo o meu, falo sobre cultura, livros, filmes etc. Sou escritor com livro lançado pela editora chiado, o blog chama-se entre linhas, o link é http://www.thieresduarte.blogspot.com.br vai ser um prazer ser retribuido, siga lá! Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Ainda não conheço nada da autora, mas tenho vontade de ler. Gosto de vampiros (os malvados, não aqueles muito românticos e fofos). Esse Lestat é o mesmo do filme "Entrevista com o vampiro"? Adorei o filme!

    www.meuslivrosesonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o mesmo personagem do filme, só que nos livros seguintes ele não é tão cruel. recomendo. É difícil alguém não gostar dos livros da Anne.

      Excluir
  4. Eu gosto mundo dos vampiros da Anne Rice.
    Os livros dela junto com o de Bram Stoker e de Kim Newman somados ao jogo castlevania Sinfonia da noite foram minhas maiores influências para o lançamento do meu primeiro livro em abril de 2015, cujo o tema também é o vampirismo e a relação das criaturas sobrenaturais com os humanos,de forma sigilosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kim Newman eu não conhecia, vou procurar. Quanto ao seu livro, fiquei curioso. Me passe mais informações sobre ele, quem sabe rende um post. Meu e-mail está em contatos.

      Excluir
    2. Do Kim te recomendo Anno Dracula.
      Ele pega o final do Dracula de Stoker e continuar a história misturando personagens reais e de outros autores.
      Reli tem pouco tempo e é bem interessante.

      Excluir
    3. Obrigado, Sandro, deve ser ótimo.

      Excluir
  5. Não aguentei esperar e baixei o livro....e Deus meu....a nossa Mestra voltou e voltou com tudo!! Vampiros no séc 21...Cara q venham mais... Anne estava me sentindo órfão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei muito feliz com seu retorno, a velha Anne estava fazendo falta.

      Excluir
    2. Fiquei muito feliz com seu retorno, a velha Anne estava fazendo falta.

      Excluir
  6. Li cerca de 1/3 do livro e vim em busca de resenhas. Anne esta mais sóbria, direta e isso confere dinamismo à leitura. Conheço a escritora de longa data (anos 80), a vi escrever sobre outros seres e depois se entregar à literatura religiosa. Foi uma grata surpresa ler Anne Rice escrever sobre nossos Vampiros queridos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei muito feliz com o retorno dela a esses personagens.

      Excluir
  7. Não pude evitar e baixei da web.Depois compro na livraria...sobre o livro: Bem vindo ao mundo atual, bem vindo ao sec XXI !!! Muito maravilhoso, e adoraria que ela escrevesse sobre os demais personagens que surgiram! Seth! Gregory enfim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há muito personagens maravilhosos a serem desenvolvidos, quem sabe né?

      Excluir
  8. Interessante e ao mesmo tempo assustador os comentários! Estou sondando antes de ler. Não me imagino ficando decepcionada com Anne Rice, mas esse "modernismo" me deixa com o pé atrás! Clássico tem que se manter clássico!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só o fato dela ter voltado a escrever sobre vampiros já foi o suficiente para me deixar muito feliz.

      Excluir