segunda-feira, 20 de abril de 2015

Cura - Robin Cook


Sinopse

Depois de uma longa licença, a Dra.Laurie Montgomery volta ao trabalho no Gabinete de Medicina Legal. Insegura sobre sua capacidade, ela se depara com um caso aparentemente simples: um homem não identificado é encontrado morto no metrô, possivelmente de causas naturais. O que a médica não sabe, é que Satohi, um cientista que fugiu do Japão trazendo consigo uma importante descoberta sobre células pluripotentes, foi assassinado pela máfia, devido a um perigoso jogo de interesses. E à medida que ela chega perto da verdade, sua segurança e a de sua família é posta em risco.

                                                                     
                                                                  Resenha

Robin Cook consegue misturar espionagem industrial, guerras entre mafiosos e investigação médica sem que o livro se torne uma salada de estilos. Confesso que inicialmente achei a leitura desagradável. As passagens sobre a máfia japonesa foram uma tortura. Eram tantos nomes complicados, que eu mal conseguia distinguir quem era quem. Tantas intrigas entre as famílias e diálogos intermináveis entre os chefões e seus subalternos que era um alívio quando esses capítulos terminavam. As cenas sobre o mundo corporativo também não eram nada empolgantes. O jogo de interesses pela patente de uma nova descoberta científica era tão intrincado, que foi preciso muita atenção para compreender pelo que aquela turba de personagens estava brigando.
O que dava um gás eram as passagens com Laurie e Jackie. Foi muito bom reencontrar o casal de legistas, saber que eles tiveram um filho, que ele se recuperou milagrosamente de uma grave doença e que a doutora estava de volta à ativa. Além disso, foi bacana rever o pessoal do necrotério, estar de novo dentro da rotina do Instituto e acompanhar as relações entre os funcionários. Inicialmente Laurie está bastante insegura pelo fato de ter passado tanto tempo afastada do trabalho, além disso, deixar seu bebê de pouco mais de um ano nas mãos de uma babá não é nada fácil para ela. Esse comportamento faz com que a doutora soe chata, principalmente para os leitores que não acompanharam os demais livros da série, mas eu sabia que tudo não passava de um problema de adaptação e que a esperta e audaz legista continuava  ali e logo viria à tona. E não deu outra. Assim que ela recebe um cadáver anônimo, cuja causa da morte é desconhecida, a médica não sossega até encontrar respostas. Essas respostas levantam a suspeita de um assassinato e então Laurie, como de costume, começa a dar trabalho para a máfia, que está interessada em abafar o caso.
A medida que o livro avança, vai se formando uma envolvente trama, com os diferentes núcleos se aproximando e as relações entre eles ficando mais claras. As trapalhadas dos mafiosos, que criam uma confusão atrás da outra, são impagáveis. O livro tem uma série de mal entendidos que vão levando os personagens a tomar atitudes imprevisíveis. É uma constante de encontros e desencontros que acaba sempre em desastre.  Uma viagem narrativa que nos leva para caminhos que, embora sejam previsíveis em alguns aspectos, em outros nos deixa extremamente curiosos.
 O livro não tem nenhum grande mistério, desde o início sabemos quem é assassinado, quem matou e qual é o motivo. A história se baseia nas implicações daquele crime e isso rende muita ação. Contudo, isso não quer dizer que o livro não reserve surpresas. É um livro bem movimentado, cujas tramas vão ganhando vários desdobramentos e nos leva a um desfecho vibrante.  Por mais que em alguns aspectos o livro siga a uma fórmula já batida do autor, há lances bem inusitados que dão uma individualidade a esta obra. Apesar de muitas opiniões negativas na web, é um livro com muitas qualidades: empolgante, divertido e, em alguns momentos, impactante.

                                             

4 comentários:

  1. Robin Cook é um daqueles casos que na minha opinião o autor relaxa um pouco a mão com o passar dos anos, Dean Koontz é um dos exemplos disso, não digo que todos os livros são ruins ou algo do tipo mas se for comparar o que produziram nos anos 80 e 90 a diferença de qualidade é notavel. Tive a sorte de crescer lendo os livros do Cook, as edições bem antigas e tenho como favorito livros como Cérebro e Coma, sempre um bom suspense ligado a medicina. Seus últimos lançamentos, e isso abrange de 2011 para cá quando meu contato com o autor diminuiu me fizeram ficar com o pé atrás com seus livros. Adoro a Laurie e o Jack! ( Cara que revelação essa de que eles tiveram um filho haha) Acompanho desde o inicio da relação deles nos livros, mas os últimos que li, Estado Crítico e Corpo Estranho, foram sofríveis se comparados aos favoritos.

    Sua resenha é o que eu esperava do livro, uma leitura interessante mas com algumas passagens um pouco entendiantes, mas mesmo assim deu aquela agua na boca para ler haha não é um livro que vá comprar mas se encontrar na biblioteca com certeza pegarei. O lançamento deste ano dele é que me parece ser bom, Beneficio de Morte, já viu algo sobre ele? O tipo de história que mexe com algumas feridas da comunidade médica, adoro isso. Provavelmente é minha próxima leitura dele.

    Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele não é mais o mesmo, mas ainda dá um bom caldo. Quanto ao Benefício Na Morte, não encontrei muitas opiniões, mas me parece bem promissor. Assim que ler eu o resenho.

      Excluir
  2. Oi Ronaldo, tudo bem? Adorei a sua resenha e fiquei com vontade de ler o livro. Realmente nem sempre quando o mistério é revelado no começo, o livro perde a graça. As vezes ele é muito mais do que apenas aquele mistério. Gostei =D
    beijos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, tem livro que se sustenta sobre outros elementos.

      Excluir