sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Sete fabulosas criaturas concebidas por Anne Rice





Lestat

Astro de rock, príncipe dos vampiros, moleque inconsequente, que bebeu do sangue dos mais antigos, que voltou ao tempo de Jesus e acompanhou seu calvário, que se atreveu a enfrentar a luz do sol, que trocou de corpo com um mortal para experimentar novamente as sensações humanas e que conquistou o coração de gerações de leitores. Lestat foi descrito como um vilão dos mais cruéis por seu companheiro Louis em Entrevista com o Vampiro, mas quando conhecemos o seu lado da história, deixamos de acreditar nos relatos ressentidos de sua cria. Lestat desmentiu seu antigo parceiro Louis e ouso dizer que As Crônicas Vampirescas se iniciaram com O Vampiro Lestat, no qual ele próprio conta sua história e não com o romance anterior. Após Cântico de Sangue, Anne Rice decidiu abandonar a literatura de terror, dizendo que não havia mais nada de novo a contar sobre seus vampiros. Mas Lestat, o imortal, não deixaria que nem mesmo sua criadora o matasse e voltou à ativa no tão esperado Prince Lestat que esse ano chega no Brasil.



Ashlar

Exageradamente altos, delicados, inofensivos e com a capacidade de adquirirem o tamanho adulto momentos depois do nascimento, são umas das criaturas mais poéticas concebidas por Anne Rice, que baseou-se no folclore húngaro para criar os seus Taltos. Sua principal fonte de alimentação é a proteína do leite e por isso se esbaldam com litros e mais litros de leite puro, chocolate branco, leite condensado e outras delícias lácteas. Dizimados durante um ataque em sua aldeia os poucos sobreviventes viviam escondidos dos humanos, em busca de outros de sua espécie. Ashlar, magnífico exemplar da espécie, no passado foi o rei de seu povo, adaptando-se às mudanças no mundo durante os séculos, convertendo seus seguidores ao cristianismo e chegando ele próprio a se tornar padre. Sua vida teve reviravoltas que dariam assunto para uma saga, até se tornar um empresário, dono de uma fábrica de bonecas, vivendo na solidão por acreditar ser o último representante de sua espécie. Mas eis que fica sabendo da existência de uma outra descendente, nascida no seio da família Mayfair e sua esperança de criar uma nova dinastia ressurge.



Rowan

 A competente cirurgiã Rowan Mayfair é a 13º  de uma dinastia de mulheres ligadas a um espírito maléfico denominado Lasher. Mas sua missão é bem mais difícil que a de suas antepassadas, pois foi incumbida de engravidar desse demônio e trazê-lo de volta ao mundo material.  Criada longe de sua família ela retorna após a morte de sua mãe e assume a propriedade da mansão, aonde aos poucos vai descobrindo os segredos dessa misteriosa família junto de Michael, um artista por quem se apaixona e com quem forma um casal cuja sexualidade emana da pele. Rowan, além de ouvir a voz de seu filho assim que engravida, tem também a capacidade de matar as pessoas com o pensamento, causando-lhes um fulminante ataque do coração. É uma mulher aparentemente fria, mas capaz de grandes arroubos de paixão e forte o suficiente para manter-se em pé após tantas escolhas difíceis que seu infeliz destino lhe impôs.

Lasher

Lasher é um espírito secular, que usa sempre a mesma família em suas tentativas de reencarnação. Sempre associado às bruxas Mayfair, defendeu-as, destruiu seus inimigos e ajudou-as a aumentar sua fortuna. Mas a vida no além era pouco pra ele. Lasher queria mais, desejava sentir novamente os prazeres que só a matéria poderia lhe proporcionar e viu a tão desejada oportunidade ao se aproximar de Rowan. Ele aguardou na moita ela se envolver com Michael, conceber um filho e então expulsou o espírito da criança e se apossou do embrião, atormentando a mãe desde o útero. Mas, se antes de nascer ele já era capaz de causar tanto estrago, imaginem o que ele não poderia fazer desse lado da vida?





Azriel


 Azriel era um judeu da Babilônia que estava fadado a ser sacrificado a um deus. Porém alguns magos com seus próprios interesses aproveitaram-se da situação para por em prática uma misteriosa feitiçaria, transformando-o em uma criatura sobrenatural. É difícil classificar no que Azriel se transformou. Fantasma, anjo, demônio. O que se sabe é que ele se torna uma criatura imortal destinada a usar seus poderes para cometer crimes em nome de seus mestres. Mas mesmo sendo escravo do mal, Azriel é amante do bem e após séculos vivendo no lado obscuro,  chega aos tempos modernos com uma grande sede de redenção. E, ao se tornar novamente dono de seu destino,  se transforma numa espécie de super herói, com a missão de percorrer o mundo e salvá-lo mesmo que seja um pouquinho à cada dia. Um belo personagem que demonstra que fatores externos não mudam nossa verdadeira natureza.





Reuben

Foi mordido por um lobisomem e conforme a lenda, se transforma num deles. Mas o que o difere das outras vítimas que vemos na maioria dos livros, filmes e séries, é a sua fácil aceitação do fato. Tirando uma estranheza inicial, Reuben se adapta rapidamente à sua nova condição e não fica horrorizado ao sentir seu corpo se tornando monstruoso, os pelos crescendo os dentes se transformando em armas mortais, mas sim maravilhado. Reuben passa então a percorrer a noite estraçalhando malfeitores e logo se torna alvo da mídia. Mas nem todo o poder que possui, nem o fato de ser uma celebridade mexem com seu ego. Continua fiel aos seus preceitos éticos e com seu charme despretensioso. Um cara adorável em sua forma humana e um feroz cão de guarda infalível em sua forma lupina.

Ramsés

Inacreditável, Ramsés II está vivo. Simulou a própria morte enterrando outra pessoa em seu lugar, descobriu um elixir da imortalidade e os séculos se passaram enquanto ele mergulhava num sono profundo. Ao ser despertado pelo arqueólogo Lawrence, reencontrou seu grande amor, Cleópatra, mas seu coração tremeu mesmo foi pela bela Julie, filha de Lawrence. Sua reação às estranhezas do mundo moderno é bastante divertida, mas não é só de paixões que sua nova vida é feita. Ao seu redor é armada uma grande intriga e ele tem de usar todas as suas habilidades, entre elas uma força descomunal, para driblar seus inimigos e viver sua nova vida como um homem comum. Se é que isso é possível para alguém com mais de mil anos de idade. Uma lírica história de amor, que somente a prosa poética de Anne Rice tornou possível.



5 comentários:

  1. Cara, que post foda *-*
    Adorei, parabéns...
    Irei compartilha-lo em minha pagina sobre Vampiros no facebook ;)


    https://www.facebook.com/EnciclopediaDosVampiros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Kass! Entrei em sua página e curti. Excelente conteúdo.

      Excluir