segunda-feira, 19 de maio de 2014

Sete mulheres que as mulheres amam...

Livros em lista
Feministas sem deixarem de ser femininas, modernas, mas sonhadoras, elas se tornaram símbolos de orgulho de todo um gênero. Nelas as mulheres se espelham, com elas se emocionam e torcem à cada página para que levem a melhor.

Tracy Whitney

Se perguntar à 10 mulheres qual é o melhor livro de Sidney Sheldon 9 delas dirão que é Se Houver Amanhã. E realmente o livro é muito bom. Mas o segredo desta obra ter agradado tanto as mulheres foi a personagem principal, Tracy Whitney. De uma jovem ingênua prestes a se casar com o herdeiro de uma família tradicional a uma das mulheres mais procuradas do mundo, a trajetória dessa personagem é no mínimo rocambolesca. Pode soar estranho uma vigarista se tornar um exemplo para um número absurdo de leitoras. Mas o sucesso de Tracy é ter levado tantos tombos sem se lamentar, sem se fazer de vítima, sem se dar por vencida. Uma grande personagem entre tantas que Sheldon nos trouxe.



Aurélia Camargo

Uma mulher que em pleno século 19 teve a ousadia de comprar um marido. Aurélia Camargo sofreu horrores por causa de Fernando Seixas, que a trocou por um dote, mas deu a volta por cima. Herdou uma bela grana e se tornou uma figura badalada na corte. Pôde-se então dar ao luxo de redigir um contrato e escolher seu antigo noivo para desempenhar a função de marido. A história de Aurelia foi reinventada diversas vezes, não só na literatura, como no cinema, teatro e principalmente nas novelas de TV. 






Bridget Jones

É muito fácil se identificar com Bridget Jones, pois ela tem um pouco de cada mulher tanto por dentro quanto por fora. Na faixa dos trinta anos, as suas prioridades são emagrecer, arrumar um namorado e deixar de fumar. Não necessariamente nessa mesma ordem.
Sua fixação em ter um corpo perfeito, a preocupação com a beleza, pode fazer com que ela soe fútil no início do livro, mas Bridget é apenas uma pessoa que tem coragem de ser verdadeira, que não se acomoda com a hipocrisia de que o que vale é o interior e corre atrás de sua felicidade. Às vezes tropeça, mas corre.






Celie

É impossível não sofrer com Celie em sua trajetória de luta, dor, perda e humilhação. Nascida numa família totalmente desestabilizada, abusada sexualmente pelo pai, lutando para impedir que o mesmo aconteça com sua irmã, ela acaba sendo afastada de tudo e sofre com a solidão. A única maneira de diminuir sua desolação é escrever cartas. Primeiro às dirige a Deus, depois à sua irmã, que virou missionária na África. Como sempre levou bordoadas da vida, a visão que tem de si mesma é aquela que a sociedade projeta sobre ela: feia, burra, miserável. Mas o amor de uma outra mulher fez com que enxergasse suas qualidades e aos poucos provasse ao outros e, principalmente à si própria, o seu valor. Um romance que além de exaltar o feminismo, é um retrato da opressão aos negros no início do século XX.



Hazel

Mesmo sofrendo de um câncer, ela consegue sorrir, xingar e amar. Hazel é uma guerreira, que não se deixa abater pela doença e dá uma lição de positivismo. Irreverente aos extremos, garante boas risadas e tem uma qualidade determinante para ser querida pelo público: é humana. Ela tem suas qualidades inquestionáveis, mas também tem defeitos como qualquer pessoa. Em alguns momentos é até insuportável. Mas nem por isso deixa de ser apaixonante.

Jane Eyre

Símbolo da emancipação feminina, Jane Eyre é um dos personagens mais emblemáticos da literatura. O livro conta sua história desde a infância sofrida, passando pelo período em que estuda num colégio para moças, até se tornar professora e conseguir um emprego como preceptora numa mansão. Lá se apaixona e vive um romance complicado, com todos os elementos dos livros da época. Porém Jane é muito diferente de suas contemporâneas. É contestadora, irrequieta, independente. Mesmo órfã, conseguiu se tornar professora e não se intimidou em deixar o colégio e enfrentar o mundo. E o mais importante, não é descrita como uma bela mulher. Jane nos conquista com sua capacidade de demonstrar coragem, mas não perde seu recato, sua feminilidade em não sentir receio de demonstrar sua cultura, sua inteligência arguta e em fugir a qualquer estereótipo. Pode-se dizer que Jane Eyre é uma heroína na medida certa.


       
Tieta do Agreste

Expulsa de sua cidade pelo próprio pai debaixo de pancada, Antonieta Esteves voltou triunfantemente vinte anos depois, linda, motorizada e com uma conta bancária que despertou a ganância daqueles que a desprezaram. Tieta representa o espírito livre, a cabrita que seguia seus instintos, a mulher que amava sem medo.  Trouxe a luz ao seu povo tanto no sentido literal quanto no figurado, iluminando as ruas de sua cidade natal e a vida daquelas pessoas, com sua alegria, sua exuberância e sua modernidade. Uma mulher admirável que apesar  do desejo de vingança por toda a humilhação sofrida em sua juventude, guardava um coração generoso e espalhou muita felicidade à sua volta.
                                             


19 comentários:

  1. Tá, não sou mulher, mas confesso que Bridget Jones foi o primeiro livro que li (e adorei).
    Me sinto tão desengonçado quanto ela. <3

    Estou louco para ler A Cor Púrpura.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Hahaha' ameii o post *-* amei a listagem de livros que você fez

    ResponderExcluir
  3. Adorei. Adorei sua lista. Confesso que não li nenhum desses livros e todos me chamaram a atenção. Especialmente "Senhora". Voce tem um jeito de falar dos livros que é muito diferente. Que é muito especial. Parabéns.
    Bjs
    Se quiser conhecer meu blog
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pela visita. Também curti bastante seu blog. :)

      Excluir
  4. Excelentes comentários, Ronaldo! A Aurélia Camargo, a Celie e a Tracy Whitney são mulheres de fibra, cada uma a seu modo, e encantadoras demais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário e pelo acesso Ricardo. Acho que acertei na escolha das personagens.

      Excluir
  5. Conheço 4 das sete mulheres e concordo em elas estarem ai. Eu amo a Tracy, mas são poucas pessoas que a conhecem. Ótima postagem.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Hoje em dia Sheldon já não é um dos escritores mais lidos, uma pena.

      Excluir
  6. Dessas eu só li ACEDE, eu gosto da Hazel, mas não acho que eu ame ela, acho ela meio rabugenta. Aliás é muito raro eu gostar de uma personagens principal, elas costumam ser sempre meio idiotas. Personagens que eu gosto é a America de A Seleção e a Anne Frank (que não é uma personagem, na verdade, mas conta vai!).


    Beijocas!

    Meninas Quase Invisíveis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela dica, quem sabe America entre numa próxima lista.

      Excluir
  7. Nooosssa desta lista toda eu só li A Culpa é das estrelas, que por sinal adorei!!

    nocantodaestante.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. kkkkkkkkkk só conheço duas dessas " mulheres " kk Hazel é a melhor!!

    ResponderExcluir
  9. Faltou a Katniss cara!! Cade jogos vorazes nessa tua lista ):

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Katniss já tem o lugar dela guardado na lista de sete guerreiras da literatura, que está por vir. :)

      Excluir
  10. Adoro a Tracy! Li quase todos os livros do Sidney Sheldon.

    Adorei o blog!
    Estou seguindo.
    Ficarei feliz com uma visita ao meu blog:
    www.meuslivrosesonhos.blogspot.com.br
    Um abraço!

    ResponderExcluir